sábado, 3 de abril de 2010

FARO DO INSTINTO EM FLOR - Karinna* & Miguel



FARO DO INSTINTO EM FLOR (prosa poética)

Nesse outono despertar encanto, em que a luz deixa, forma e tributo, súbitas pegadas pele, num crescendo de arrepio o altar por que melhor o rumo me encaminhe viajantes colinas, e se rompa à resistência oferecida ilimitado fulgor, quando abaixo em teu semblante de flor tributo à beleza, aptidão, festa pagã, crescendo vontade devagar teus sibilantes segredos, vier ao instigante mar salgado.
- Cadeias de dunas são, que na mistura das divinas sensações, promessa viva brotar numa pedrinha de rubi, na fimbria, a expectativa do furor que se anuncie: nos ombros espalmada para alcançar-me rude, a morte na posição em que a libido se convença, em plena ressurreição, de que o mundo é mundo.

Karinna* e Miguel

2 comentários:

Karinna* disse...

*Os versos dançam e se fundem em acordes de fogo.
Incrível perceber as variações que nossas poesias bailam.
Perfeito. Quase não reconheço minha palavra. Parece agora nossa palavra.
Tua escrita é sempre inspiradora, instigante e desafia-me.
Obrigado por esse presente.
Beijo-te com extremo carinho e admiração.
K*

jefhcardoso disse...

Olá Miguel! Hoje é quarta-feira, uma correria. Não repare em minha visita relâmpago, mas venho lhe convidar para ler o novo capítulo de “O Diário de Bronson (O Chamado)” e deixar o seu comentário.

Retornarei com melhores modos e mais tempo. Tenha uma ótima semana. Abraço do Jefhcardoso!