sábado, 4 de dezembro de 2010

DESPERTAR DO POETA



















O que quer que seja
Paira no ar
Loucura mesmo
Aragem fina que vibra

Sabem os versos
Que as intenções decifram
Desejos, e na fala de uma estrela
Que uma janela invada
É dita a palavra indizível
Surgida ao léu, de repente
Música
Céu dispondo em aquarela
Salpicados cristais de luar

Sei no éter matizado e além
Nas transparências
Onde os sonhos se confundem
A cor da vida matizar-se
De inconscientes sentires
E de mentes que se queiram usar
Em poesia tão somente

Miguel Eduardo-






Um comentário:

marilandia disse...

"DESPERTAR DO POETA" em "aquarela" matizado por "Salpicados cristais de luar" ,mescla-se aos divinais acordes de THE HEART OF SATURDAY NIGHT, "e na fala de uma estrela" , solenemente, ecos dos sentimentos vibram...

A CADA COMPOSIÇÃO PAIRA NO FULGOR DO CEU, UMA NOVA ESTRELA.

Beijos.
Marilândia