sábado, 12 de fevereiro de 2011




CONFIDÊNCIA

Sentida ao pé da letra
Por sóis ardentes quista
Aqui e além tu és

Da pele aventureira
Ao alimento tida
Ages sem vacilar

Que ácidos quereres
Tão pérfidos perfumes
São jóias que me brilham
E leem meu suplício

Pois se apresenta em riste
Prodígio do fetiche
Que o hálito sentindo
Diz: “eis a confidência”

Miguel Eduardo-

Um comentário:

marilandia disse...

"...São jóias que me brilham
E leem meu suplício..." confidenciado, talvez, no silêncio dos versos teus...

MAGNÍFICO!!!

Beijos.
Marilândia