segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

NO CIO



NO CIO

serpenteada
alveja
desdobra-se o espaço...
em pele
crispada
espada...
não finge
mima
o nu!

Miguel Eduardo

4 comentários:

marilandia disse...

NO CIO// CONFINADA

serpenteada//ardilosa
alveja// sedenta
desdobra-se o espaço...// doses de prazer
em pele// insinuante
crispada// ritmada
espada...// audaciosa
não finge// ousa
mima// sofregamente
o nu!//em murmúrios

Beijo e carinho.
Marilândia

Wanderley Elian Lima disse...

Olá Miguel.
Combinação perfeita poema e video. Parabéns.
Forte abraço

Retalhos de Amor disse...

Que o sonho se faça inteiro
D’um azul celestial
Manhãs florescentes sorrisos
Sol da Felicidade!!!

F E L I Z * 2 0 1 0 ! ! !

Beijo saudoso...
No teu coração, Amigo Miguel!!!
Iza

(Tanto tempo... Ainda aqui com minha
conexão pré-histórica que, hoje,
permitiu-me pequenos vôos... Espero
permanentes!!!)

S A U D A D E S ! ! !

Karinna* disse...

*As derivações são infinitas.
Podemos considerar, definitivamente, que um poema não tem fim não.
Belo.
BjM-
Ka*