domingo, 26 de abril de 2009

BOCA LOUCA



BOCA LOUCA

Indecifrável
Em tocar desconhecido
Que rumor profético!
Sente, canta atrevido
Percorre-me por dentro
Qual embriaguez de um seio maravilhoso
A língua imoderada esquadrinha
Sorrateiramente...

E as ondas a areia da praia
Desfaz, e refaz sob os pés
Nesse mergulhar tão fundo
De um ar ingênuo e peralta
Que se perde tonto e sem rumo
Se apaixonante, com a pulsação distrai-se
E atiça a ousadia com tamanha eloquência
Como se fora para a um Deus agradar
De qualquer maneira, ilimitadamente!

Miguel Eduardo Gonçalves

2 comentários:

marilandia disse...

A sensualidade de teus versos mesclada à eloquência atiça com voracidade a ousadia.
Poema de ilimitada beleza e reflexão.
Abraço carinhoso.
Marilândia

Retalhos de Amor disse...

Vinho tinto
do
Sentir!!!

Aplausos todos,
Amigo Miguel...
Show de versos!!!

Beijos, Amigo...
No coração!!!
Iza